quinta-feira, abril 20, 2006

 

Do Arquivo Nacional da Torre do Tombo.

SENTENÇA PROFERIDA EM 1487 NO PROCESSO CONTRA O PRIOR DE TRANCOSO

(Autos arquivados na Torre do Tombo, armário 5.o,maço 7)

"Padre Francisco da Costa, prior de Trancoso, de idade de sessenta e dois
anos, será degredado de suas ordens e arrastado pelas ruas públicas nos
rabos dos cavalos, esquartejado o seu corpo e postos os quartos, cabeça e
mãos em diferentes distritos, pelo crime que foi arguido e que ele mesmo não
contrariou, sendo acusado de ter dormido com vinte e nove afilhadas e tendo
delas noventa e sete filhas e trinta e sete filhos; de cinco irmãs teve
dezoito filhas; de nove comadres trinta e oito filhos e dezoito filhas; de
sete amas teve vinte e nove filhos e cinco filhas; de duas escravas teve
vinte e um filhos e sete filhas; dormiu com uma tia, chamada Ana da Cunha,
de quem teve três filhas, da própria mãe teve dois filhos.

Total: duzentos e noventa e nove, sendo duzentos e catorze do sexo feminino
e oitenta e cinco do sexo masculino, tendo concebido em cinquenta e três
mulheres".

agora vem o melhor:


"El-Rei D. João II lhe perdoou a morte e o mandou por em liberdade aos
dezassete dias do mês de Março de 1487, com o fundamento de Ajudar a povoar
aquela região da Beira Alta, tão despovoada ao tempo e guardar no Real
Arquivo da Torre do Tombo esta sentença, devassa e mais papéis que formaram
o processo".



ps: Os Concelhos de Castelo Branco, Elvas e os outros em que o governo quer fechar as maternidades por falta de partos , agradecem um padre deste na sua paróquia

Comments:
Tu hoje tas...
Bem, nem te digo nada.

Hoje fui eu aos galegos e não te vi..

Bjitus
 
Mesmo que tenhas visto ... como sabias que era eu ??? Não tenho Alentejano escrito na testa... Lollll

Jinhos,,,,,
 
A isto se chama um perfeito missionário... Que sacrifício ele fez para o repovoamento da sua terra.
Infelizmente hoje já não há voluntários destes.
Obrigado pelo momento de boa disposição e pelo trabalho de pesquisa ( penso eu)
 
É fácil conhecer o Alentejano!
É feio, coxo, marreco, não faz a barba, etc.
 
Pelo que contas... mais vale escreveres Alentejano na testa do que Padre.........
:o\

BJss
 
Não sabia que por essas terras tinham que recorrer ao serviço do padre.... mas... se for um padre como o do "Crime do padre Amaro"...até se entende...
LOOOOOL

Beijinho ;))
 
(Eu é que agradeço a denuncia que fizeste e também o não te teres aborrecido pq não te pedi autorização antes... mas ontem não consegui aceder aqui, sorry)

Não conhecias essa da torre do tombo? :) Alentejanos... eu bem te digo LOL
 
È caso pra dizer cada tiro cada melro...kikarago...

Jokinhas!
 
A verdadeira história dos intrépidos povoadores deste cantinho à beira mar-encravado, é certo, mas este gajo não minha terra levava o nome de barrasco e ia seguramente para abate.
É mesmo caso para dizer cada tiro, cada melro, o velho não dava uma gaitada que não fizesse um filho, uma verdadeira linha de produção...
Uma resenha aos diversos "textos", gosto muito vir aqui pelos alertas, pela comédia, pelo sorriso que nos dás, pela sensibilidade, enfim pela tua visão abrangente da vida...
Saúde, camarada, a gente vê-se por aí...
 
ehehehehehhehe
Grande Padre!! Haja muitos como ele.
 
eheheheheheh Alentejano! Tu és demais!
bom fim de semana
 
Já não há homens como antigamente...
Bjs
 
Como também deve haver falta de mulheres nessas terras, os ministros de sua alteza real, D. José Trocas, podem mandar as esposas a banhos para as regiões citadas, a fim de dar maior aproveitamento ao trabalho do "barrasco", assumindo estes a paternidade dos "bácoros" assim gerados para que os mesmos não sejam forçados a mendigar pelas ruas das pobres aldeias do interior.
 
Então achas que eu não estou bronzeada??Para a altura do ano acredita que não estou nada mal, lembra-te que sou de raça branca, não preta!!!
 
Mandei um limão correndo
Á tua porta parou
Depois fiquei pensando.
Será co cabrão se cansou.
 
Enviar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?